Viva Caligula e o manifesto através do corpo nu

Viva Caligula discute a autoaceitação e padrões de beleza.

O projeto fotográfico curitibano Viva Caligula iniciou em 2011 como apreciação do corpo nu, e a necessidade de trazer um novo olhar para o diferentes shapes do corpo humano. Ao longo do tempo Bruno Ribeiro, criador do projeto, viu em Viva Caligula a oportunidade de abordar a discussão do corpo, seus shapes e consequentemente questionar padrões de beleza, gênero e sexualidade.

Através da fotografia de Kleber Garcia, as discussões permeiam em ensaios que trazem diferentes temas e apresentam um mundo pessoal de cada modelo; proporcionando a inclusão e elevando a autoestima em uma sociedade oprimida pelos padrões de beleza, bombardeados pela mídia.

“Somos inconscientemente vitimas da mídia, constantemente expostos à valores estéticos limitados e por vezes irreais. Tentamos nos encaixar e quando não conseguimos nos frustramos, dando inicio a um processo de corrosão de nossa auto-estima.

Ha três anos comecei a publicar fotos nu em meu antigo tumblr. Além de eu ser o modelo mais acessível para dar vida aos meus projetos, expor meu corpo é como uma “terapia de choque” para minha auto-estima. Não importa o seu biotipo, sempre haverá alguém que te acha atraente e alguém que te acha feio. É uma questão de preferencia individual. Não podemos agradar a todos.

Entre críticas e elogios comecei a ver que não era o monstro que a mídia me fez pensar ser. Aprendi a lidar com o tamanho das minhas orelhas, minhas coxas grossas, minha pele áspera meus braços finos e meus testículos pequenos. Mesmo depois de tantas fotos expondo meu corpo e melhorando minha auto-aceitação, minha barriga ainda me incomodava. Mas acho que chegou a hora transcender o pudor e me aceitar por completo.
Não sou mais bonito e nem mais feio. Sou diferente.
Não tenho qualidade nem defeitos. Tenho características.
Assim como todos.”

 

Viva Caligula – site

Written by

Estudante de Design de Moda, me encontro nesta área com o fascínio de entender o mercado de moda e os padrões que permeiam a sociedade. Por esse motivo criei a FRANK'S HOUSE mag, site que vem com o próposito de questionar comportamentos rotulados.

Deixe uma resposta